SWF file not found. Please check the path.

Discografia

CD (e compacto vinil) Pop em pedaço vol. 01

Em novo trabalho, o compositor, cantor e guitarrista Roney Giah revisita o formato vinil 7 polegadas (compacto simples, Single Play), um sucesso da indústria fonográfica nas décadas de 1950 e 1960. Pop em Pedaço, que está sendo lançado no mercado nacional, é uma série que conta com seis edições, cada uma delas contendo um vinil 7 polegadas e um CD com as duas faixas/singles autorais em cada mídia. A nova incursão musical mostra o lado mais pop de Giah, que busca um diálogo entre o contemporâneo e o tradicional. As programações eletrônicas conversam com instrumentos acústicos e conferem ao trabalho uma arquitetura musical já consagrada por Quincy Jones & Michael Jackson, Liminha & Gilberto Gil.

No primeiro volume, o destaque são as composições Mas até lá e Estamos seguros embaixo do meu cobertor – lançadas em formato acústico no CD Queimando a moleira, em 2010, e que ganham novo arranjo na primeira edição da série Pop em pedaço. O novo formato procura dialogar com o dinamismo do mercado atual. “A velocidade com que as pessoas consomem música não é mesma das décadas de 1980 e 1990; a ideia do formato compacto permite ao artista saciar essa velocidade e, ao mesmo tempo, sentir-se em dia com a sua obra”, afirma Roney Giah.

 

CD (e compacto vinil) Single puzzle piece vol. 01

Lançado em 2012

 

 

 

 

 

 

 

CD Co’as goela e tudo

Lançado em 2011, o quinto CD de Roney Giah é fruto da parceria entre Giah e a Perseptom Banda Vocal.
O encontro musical de Roney Giah com os sete integrantes do grupo Perseptom Banda Vocal não apenas rendeu um prêmio, como resultou em um CD singular, inteiramente “a capella”, sem o acompanhamento de instrumentos.
Co´as goela e tudo une a técnica vocal do beat box (percussão vocal) com impecáveis timbres vocais, obtendo - apenas com as vozes dos integrantes - a sonoridade de uma banda inteira.

Músicos de diferentes vertentes e escolas artísticas, Giah e Perseptom – uma das bandas vocais mais conceituadas do Brasil e indicada ao Contemporary A Cappella Recording Awards 2007 (CARAs) – uniram talentos e têm conquistado o reconhecimento da crítica e do público. Em 2008, celebraram o encontro musical em um show concorrido, no Teatro Arthur Rubinstein; em 2009, o grupo venceu o Festival de Música Popular Brasileira de Barueri (FEMUPO), nas categorias “Prata da Casa” e “Aclamação Popular”, com Impossível – composição de Giah que integra o CD Co´as goela e tudo.

 

CD Queimando a Moleira

Lançado em 2010, o quarto CD do compositor, cantor e guitarrista Roney Giah, Queimando a moleira é um CD autoral, composto por 18 músicas inéditas, inspirado no “chamber pop”, a música pop de câmara. O trabalho conta com as participações dos músicos Mario Manga (violoncelo), Alexandre Ribeiro (clarinete e clarone), Maurício Biazzi (baixo acústico), Toninho Ferragutti (acordeom), Nado Silva e Piu (piano Rodhes), Dandara Modesto (backing vocal) e Roney Giah (voz, violão 7 cordas, piano e beat box).
Antes mesmo do lançamento de Queimando a moleira, a composição “Time is so still” – que integra o novo CD – conquistou duas Menções Honrosas internacionais: do Billboard World Song Contest e do Mike Pinder´s Songwars.

 

 

 

 

 

CD Yesterday's Tomorrow (compilação)

Em 2008, o compositor, cantor e guitarrista assinou um contrato com a gravadora inglesa ASTRANOVA Records para o lançamento de uma coletânea intitulada Yesterday´s tomorrow.
Para a divulgação, a gravadora produziu podcasts shows que foram disponibilizados em 107 países. Yesterday’s tomorrow, comercializado pelo iTunes, reúne sete faixas do CD Semente (1998), seis faixas do CD Mais dias na Terra (2006), além de uma faixa bônus produzida com exclusividade para a ASTRANOVA. O interesse da gravadora ocorreu após o músico ter, por duas vezes consecutivas, as músicas “Amar com E” e “A chuva” – do álbum Mais dias na Terra –, indicadas ao “Track of the day” pelos usuários do site Garage Band (www.garageband.com), portal de música norte-americano que tem a curadoria de George Martin, ex-produtor dos Beatles.

 

 

 






CD Mais Dias na Terra

Em 2005, o cantor, guitarrista, produtor e compositor Roney Giah apresentou um novo trabalho, que ampliou a linha instrumental do primeiro disco, Semente. Iniciado em 1999 e concluído em 2005, Mais dias na Terra foi resultado da necessidade que Roney sentiu de se chegar a algo impactante. Dessa forma, a pesquisa e os estudos necessários para isso demandaram essa longa gestação. O trabalho contou com as participações de Maurício Biazzi (baixo); André Novais na bateria e percussão, Cris Bananal na percussão; Piu e Flávio Marchesin nos teclados; Dani Ferraz, Vanessa Jackson, Alex Mariet e Marrom no backing vocal; Doriel Oliveira; Fulvio Lucietto e Soró nos metais.

Mais dias na Terra tem como característica a fusão de ritmos e instrumentos que normalmente não são tocados simultaneamente. Guitarras e violões de nylon, percussões vocais com naipe de metais, coro gospel com zabumbas e outras fusões dão ao CD uma aura de miscigenação, aura brasileira.

As letras falam de problemas, polêmicas e delícias brasileiras e mundiais, fatos que permanecem em nossa memória de maneira ora divertida e leve, ora enérgica e impulsiva.
As composições, letras, arranjos e produção ficam a cargo do próprio Roney Giah (assim como no CD Semente), formado em música pelo MI (Musicians Institute) de Los Angeles e em engenharia de som pelo IAV de São Paulo.

Com o CD Mais dias na Terra, Giah recebeu uma Menção Honrosa do John Lennon Songwriting Contest, com curadoria de Yoko Ono e foi pré-selecionado ao Latin Grammy e ao Prêmio TIM 2006.

 


CD Semente


Lançado em 1997, o CD Semente tem dez faixas, das quais nove são instrumentais. Com 21 anos na época, e ainda usando o nome Roney Giacometti, Semente foi seu primeiro trabalho. Nele, Roney assinou a produção, arranjos e as composições. O CD foi gravado ao vivo, em apenas dois dias, no estúdio Bebop (SP), um dos maiores da América Latina. Contou com a participação de Maurício Biazzi no baixo, Lael Medina na bateria, Rodrigo Ursaia no sax e Otávio Noronha no piano.
Com harmonias delicadas, ritmos suaves e grandes improvisos o CD Semente foi chamado por alguns de jazz contemporâneo, ou ainda, música instrumental moderna.
Com o CD Semente, Roney concorreu ao Prêmio Sharp 1998.